Danças e Cantares

Havia em Negreiros um grupo tradicional conhecido pelos “Rabecos” e tocavam a música da lã.  

 

A Lima de Negreiros, que teve origem na Lima de Góios, destacou-se por ser mais animada, mais viva e sem vénia, que substituíram por um rodar mais rápido. Foram introduzidas outras variantes.

 

Vareira: Por este nome é conhecida no Norte do País, ou melhor, na beira mar. A seu respeito, portanto, a música e dança em título. Com pequenas diferenças de música e marcação outros grupos a executam como própria, o que não significa que Negreiros não tenha também a sua Vareira, que geralmente coroa o remate das espadeladas.

De música alegre, bastante fácil e propícia a grandes conjuntos e vozes diferentes é um dos mais belos números que o Grupo possui.

Em marcação ela é o que há de mais simples e recatado.

Rapazes e raparigas formam alas à distância, enfrentando-se mutuamente. Aos primeiros arrancos da música aproximam-se dois passos, para retrocederem à posição inicial.

Dão um quarto de volta, pelo que ficam todos virados a um lado. Movimentam-se agora para a frente, aos pares. Alguns passos dados, cada par vira-se as costas e, numa volta, começa a formar novas alas por fora das existentes, mas no sentido contrário. Estas vão minguando pela saída dos pares que, a breve trecho, enfrentando-se em nova volta completa, retomam a inicial disposição em alas, para recomeçarem os movimentos.

Da letra destacaremos:

 

Ó Barcelos ó Barcelos

Ó Barcelos ó vadio

Caíste da ponte abaixo

Foste beber água ao rio.

 

A falar da vida alheia

         A mulher tanto delira

         Finge bem que é verdade

         O que é pura mentira.